Pt:Introduction

From OpenStreetMap Wiki
Jump to: navigation, search

O OpenStreetMap (OSM) é um projeto colaborativo para criar um mapa editável gratuito do mundo.

Motivação

Entre as motivações do projeto estão o protecionismo comercial das grandes companhias de mapeamento e a sua demora em atender pedidos de correções e de acréscimos em regiões consideradas menos importantes.

Recentemente, o interesse global pelo OSM cresceu bastante quando o Google iniciou a cobrança pelo uso dos dados do Google Maps. Em resposta, websites famosos como o Foursquare, o TripAdvisor, a Wikipédia e até mesmo a Apple no seu aplicativo iPhoto rapidamente trocaram o Google Maps pelo OSM. Alguns especulam que também a Microsoft tem investido no projeto indiretamente como estratégia de competição com o Google. O projeto também ganhou certa projeção quando foi usado pelas equipes de ajuda humanitária no Haiti após o furacão Isaac para mapear toda a área afetada em apenas 2 dias. Iniciativas parecidas se seguiram no Alagoas e no Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, fora do Brasil, têm sido cada vez mais comuns as "mapping parties" onde um grupo de mapeadores se reúne para melhorar o mapa de uma região.

O Waze é similar ao OpenStreetMap em alguns sentidos (é gratuito e é editável pelos usuários), e para planejamento de rotas é provavelmente o principal concorrente a longo prazo. No entanto, seus dados têm copyright (são proprietários) e a empresa pretende lucrar com propagandas.

Estrutura

Os serviços básicos do projeto e os direitos legais são geridos pela OpenStreetMap Foundation (OSMF), cujo capital provém da associação de novos membros, de doações, e de patrocínio (recentemente pela CloudMade). O mapa é disponibilizado sob a licença Open Database License (ODbL), que permite o uso dos dados para fins comerciais desde que haja referência ao projeto OSM e que os dados e as alterações feitas neles também sejam disponibilizadas sob a mesma licença ou outra compatível. Houve uma alteração na licença em 2010, que anteriormente era uma Creative Commons, que servia apenas para trabalhos artísticos e não para bancos de dados. Cada usuário teve que manifestar seu desejo de migrar para a nova licença. As contribuições dos usuários que recusaram e todas as alterações subsequentes foram revertidas, com diferentes impactos por região, mas na média afetando apenas cerca de 1% dos dados contidos na base.

Alguns projetos importantes relacionados ao OSM incluem:

  • Mapnik: programa executado nos servidores do OSM que efetivamente desenha o mapa padrão e alguns outros básicos (mapa das rotas de transporte público, mapa ciclístico)
  • ITO Map: serviço que fornece representações alternativas do mapa OSM para diversas finalidades, geralmente expondo informações que não aparecem no Mapnik
  • Open Source Routing Machine (OSRM): programa que faz cálculo de rotas, com serviço independente atualizado diariamente e usável no Android através do OSMBonusPack
  • Nominatim: programa que encontra as coordenadas geográficas (geocoding) de endereços e pontos de interesse (POIs), usado na própria página principal do OSM e nas buscas do OSRM
  • OpenLayers: serviço que permite integrar mapas do OSM com outros websites
  • Notes: serviço para registrar erros nos mapas (corrigidos mais tarde por mapeadores interessados)

Colaboração

Para editar o mapa oficial, basta criar uma conta de usuário gratuitamente, realizar as alterações usando um dos editores sugeridos a seguir, e enviar o conjunto de alteração fornecendo uma breve descrição. Os dados tornam-se disponíveis imediatamente, mas os serviços relacionados (Mapnik, OSRM, Nominatim, etc.) podem levar um tempo para refletir as mudanças, normalmente de alguns minutos a 1 dia.

Os melhores editores dos mapas do OSM são:

  • JOSM (em Java, requer instalação), usado principalmente por mapeadores mais experientes
  • Potlatch (em Flash, roda diretamente no navegador), usado por principiantes, para correções rápidas ou quando não se pode instalar o JOSM por alguma razão

Para Android, pelo menos um editor (Vespucci) já está sendo desenvolvido, e há um aplicativo (OpenFixMap) para registrar erros no mapa ao OpenStreetBugs.

Como editar é fácil, pode ocorrer vandalismo. Erros humanos são raros e o autor costuma corrigi-los se contatado pessoalmente por outro colaborador. Em casos mais graves de verdadeiro vandalismo, pode-se avisar o Data Working Group, que tem o poder de desfazer grandes volumes de alterações e de banir o culpado.

Representação dos dados

Os dados do mapa usam uma representação bastante simples. Cada elemento é descrito por um conjunto de tags, cada uma associada a um valor, e há elementos de apenas 4 tipos:

  • : um par de coordenadas geográficas
  • caminho: segmentos de reta passando por nós
  • área: um caminho fechado (começando e terminando no mesmo nó) determinando os limites de uma região
  • relação: um conjunto de elementos (pontos, caminhos, áreas ou até mesmo outras relações) relacionados de alguma forma

As tags são usadas para descrever informações como o tipo de objeto (restaurante, rua, lagoa, etc.) e seus detalhes mais relevantes (o endereço, se o acesso é restrito, se é iluminado, etc.). O nome e o valor de cada tag não têm qualquer restrição imposta pelo sistema (podem conter qualquer texto), mas o OSM usa um conjunto de convenções propostas e votadas através deste wiki, o qual serve de referência para aplicação das novas práticas. Isso permite que o mapa evolua quando surgem novas necessidades.

Os editores adotam as novas convenções gradualmente e colaboradores independentes escrevem seus próprios programas para verificar se os dados do mapa estão de acordo. Dentre as várias opções, particularmente o JOSM possui um validador que tenta garantir as convenções mais bem estabelecidas durante a submissão de alterações. Embora isso já facilite bastante, a melhor forma de conhecer a importância e emprego de cada tag é lendo os artigos deste wiki.

Em especial, vale à pena estudar bem as relações [referência?], que servem para agrupar, associar e relacionar outros elementos, como ao definir a área de um campus universitário (incluindo a área total, os estacionamentos, os prédios, etc.), ao estabelecer uma proibição de trânsito (proibido dobrar à direita em uma esquina que conecta dois caminhos) ou a agrupar continente e ilhas numa única divisão administrativa (país, cidade ou estado). O uso correto desses elementos resulta num mapa conciso e sem informação redundante, algo que melhora a qualidade e a usabilidade dos demais serviços (por exemplo, ao buscar o nome de um destino num GPS ou no Nominatim).

Comunidade

As melhores fontes de informação para acompanhar a evolução do projeto são a página de notícias do OSM e o blog da OSMF.

Detalhes técnicos

Para os interessados, o OSM guarda seu mapa numa base PostgreSQL com PostGIS e os dados são trocados com os clientes (JOSM e Potlatch) usando XML.

Ver também