Porto Alegre, Rio Grande do Sul/Bairros e Distritos

From OpenStreetMap Wiki
Jump to: navigation, search

Recomendações

Posicionamento dos rótulos

Os rótulos dos municípios no IBGE seguem a seguinte regra:

  • Capitais: junto à sede do governo estadual
  • Demais municípios: junto à prefeitura

A sede do governo do Rio Grande do Sul é um complexo de edifícios situados junto à way Praça Marechal Deodoro. Limitado à área da praça, o rótulo foi posicionado seguindo os mesmos critérios usados para os rótulos dos bairros.

Identificação do núcleo

Não está claro qual critério o IBGE usa para posicionar os rótulos dos bairros, talvez use outros pontos de referência principais (considerado interessante pela comunidade). Uma proposta seria junto ao centro geométrico do primeiro dos seguintes itens encontrados no bairro, especialmente quando estiver próximo do centro geométrico da área mais densamente povoada:

  1. Sedes do governo de nível administrativo mais alto: federal (Palácio do Planalto), estadual (Palácio Piratini), municipal (prefeitura), distrital (subprefeitura); aplicável ao rótulo do município e quase sempre também ao rótulo do bairro principal
  2. Principais espaços públicos de encontro/convívio: parques, praças, templo religioso
  3. Principais serviços urbanos em funcionamento regular e frequente: escolas fundamentais, hospitais/postos de saúde, órgãos públicos, mercados, correios, associações de moradores
  4. Principais empreendimentos privados ou empresariais: usinas, indústrias, empresas agrícolas
  5. Principais instalações de transporte
  6. Principal área densamente povoada
  7. Sedes das principais propriedades rurais
  8. Principais entroncamentos viários em áreas despovoadas

Similar ao método genérico, o núcleo ainda pode ser mais otimizado procurando um ponto próximo adequado para parar um veículo.

Este método ainda não foi aplicado em Porto Alegre porque o mapeamento desses pontos ainda não está completo, mas testes sugerem que o resultado seria bem similar ao do método genérico, pois em geral os serviços referidos tendem a se concentrar na parte mais central do bairro.

Método geométrico genérico

No OSM, deve-se posicionar o rótulo no centro do bairro. Um centro verificável pode ser obtido de duas formas: calculando o centróide, ou encontrando o maior círculo inscrito na área do bairro. Somente a segunda forma pode ser feita facilmente por mapeadores humanos. Um centróide também acabaria fora da área do bairro em algumas situações, como por exemplo no bairro Partenon.

Esse método pode ser aperfeiçoado de modo a evitar o posicionamento:

  • Em lugares de difícil acesso/não construídas quando o bairro possui uma área desenvolvida mas distante do seu centro geométrico
  • Em vias de difícil acesso
  • Junto a vias importantes (primárias, secundárias e terciárias), competindo por espaço no desenho do mapa

Da seguinte forma:

  1. Selecione a área urbana e regularizada do bairro (limites excetuando a área rural e assentamentos ilegais)
  2. Encontre o maior círculo inscrito possível nessa área
  3. Subdivida a área deste círculo pelas vias de alta classe que o cruzam e selecione a maior área resultante que contém o centro do primeiro círculo
  4. Repita os passos anteriores para vias uma classe inferior à anterior a cada vez
  5. A partir do centro do círculo resultante, procurar o trecho de via local (residencial) mais próximo que de preferência seja pavimentado, de mão dupla, onde seja possível estacionar, e que seja bem conectado às vias de mais alta classificação, de modo que o caminho para chegar até o rótulo vindo de outros bairros ou partir dele para outros bairros e pontos dentro do bairro seja o mais próximo do ideal
  6. Posicionar o rótulo do lado da via mais próximo ao centro do círculo limitado por vias secundárias (associadas à place=suburb) e de modo que seja mais próximo dela do que de outras vias

A investigar: como muitos bairros têm um formato mais parecido com o de um quadrilátero alongado, pode-se talvez obter um resultado mais natural usando quadriláteros livres ao invés de círculos. No entanto, por vezes pode não estar evidente onde as pontas do quadrilátero devem estar, o que pode gerar confusão.

Porto Alegre

Ordem de mapeamento recomendada: Centro Histórico, Praia de Belas, Cidade Baixa, Farroupilha, Bom Fim, Independência, Floresta, Menino Deus, Azenha, Santana, Santa Cecília, Rio Branco, Moinhos de Vento, Auxiliadora, Montserrat, Bela Vista, Petrópolis, Jardim Botânico, Partenon, Santo Antônio, Medianeira, Santa Tereza, São Geraldo, São João, Higienópolis, Boa Vista, Três Figueiras, Chácara das Pedras, Bom Jesus, Jardim do Salso, Vila São José, Vila João Pessoa, Coronel Aparício Borges, Glória, Teresópolis, Nonoai, Cristal, Navegantes, Santa Maria Goretti, Passo da Areia, Jardim Europa, Vila Jardim, Vila Ipiranga, Cristo Redentor, Jardim São Pedro, Jardim Floresta, Jardim Lindóia, São Sebastião, Vila Assunção, Tristeza, Camaquã, Vila Conceição, Sétimo Céu, Pedra Redonda, Jardim Isabel, Cavalhada, Farrapos, Humaitá, Anchieta, Sarandi, Santa Rosa de Lima, Costa e Silva, Parque Santa Fé, Rubem Berta, Jardim Itu, Passo das Pedras, Jardim Leopoldina, Jardim Sabará, Morro Santana, Mário Quintana, Jardim Carvalho, Agronomia, Ipanema, Vila Nova, Campo Novo, Cascata, Belém Velho, Lomba do Pinheiro, Espírito Santo, Guarujá, Serraria, Aberta dos Morros, Hípica, Restinga, Pitinga, Ponta Grossa, Chapéu do Sol, Belém Novo, Lageado, Boa Vista do Sul, São Caetano, Lami, Extrema, Arquipélago

Canoas

Alvorada

A base do IBGE considera as macrozonas de Alvorada como subdistritos (propriedade NM_SUBDIST). Os artigos 6º e 7º do plano diretor dizem que a cidade é divida em macrozonas, que representam a organização natural da cidade, incluindo aspectos sócio-econômicos. Nesse sentido, são a entidade que mais se aproxima de bairros formais. Outros bairros mencionados com frequência, especialmente se representados por associações de bairros reconhecidas pela prefeitura, podem ser mapeados como place=neighbourhood. Os limites das macrozonas constam num mapa quase ilegível nos anexos do plano diretor, e coincidem apenas parcialmente com os limites do base do IBGE, que na verdade estão alinhados com setores censitários. Já os nomes das macrozonas contêm erros de grafia no dataset do IBGE, mas estão corretos no texto do plano diretor. A macrozona MZ11 é chamada de Estância Grande na lei atual do plano diretor e de Industrial na base do IBGE e na lei anterior do plano diretor, a lei 1137. Este nome parece mais correto já que a prefeitura o adota cotidianamente, apesar de acompanhá-lo do prefixo Distrito.

Gravataí

Distritos definidos na base do IBGE e no mapa oficial georreferenciado com poucas divergências, nas quais deve ser dada preferência à informação da prefeitura. Esta notícia cita o nome e os centros administrativos de cada distrito.

As seguintes fontes de informações não permitem concluir a existência de bairros formais com limites bem definidos:

  • base do IBGE: não tem a propriedade NM_BAIRRO nos setores censitários
  • leis municipais: não citam quaisquer bairros
  • site da prefeitura: qualifica vários lugares como bairro, distrito ou loteamento inconsistentemente (ex.: distrito Costa do Ipiranga vs bairro Costa do Ipiranga Ipiranga, loteamento Xará vs bairro Xará)

O mapa oficial georreferenciado possui o que parecem ser zonas de planejamento, muitas com o mesmo nome de vários lugares qualificados como bairros pelo site da prefeitura. Essa informação pode ser usada para mapear os limites de alguns bairros, mas não de todos.

Para obter um mapeamento inicialmente razoável dos demais bairros, pode-se cruzar o texto do site da prefeitura com o mapa do plano diretor, que mostra alguns dos lugares qualificados como bairros pelo site da prefeitura sem distinção visual com outros lugares que não são bairros (ex.: EPCOS, Forum, Parcão) e com repetições (ex.: Central, Cruzeiro, Monte Belo), algumas delas inclusive distantes (Santa Luzia).

Algumas listas relativamente atualizadas dos bairros entendidos pela prefeitura podem ser:

Cachoeirinha

As seguintes fontes de informações não permitem concluir a existência de bairros formais com limites bem definidos:

  • base do IBGE: não tem a propriedade NM_BAIRRO nos setores censitários
  • leis municipais: não citam quaisquer bairros
  • site da prefeitura: qualifica vários lugares como bairro ou distrito inconsistentemente (ex.: bairro Anair vs vila Anair, bairro Granja vs bairro Granja Esperança)

Para obter um mapeamento inicialmente razoável, pode-se cruzar o texto do site da prefeitura com o mapa do plano diretor, que mostra alguns dos lugares qualificados como bairros pelo site da prefeitura, sem distinção visual com outros lugares que não são bairros (ex.: CADOP, Cientec, Parcão). Algumas listas relativamente atualizadas dos bairros entendidos pela prefeitura podem ser:

Guaíba

Referências