WikiProject Brazil/Classificação de vias

From OpenStreetMap Wiki
Jump to: navigation, search

Fontes de referência oficiais

Segue abaixo a lista das fontes oficiais de referência para as rodovias do Brasil (DNIT) e de cada estado. Os links apontam para os mapas oficiais e, em alguns estados, para a lista das rodovias, com informações detalhadas de cada trecho. Alguns estados têm mais informação que outros, e para aqueles que não disponibilizam mapas oficiais ou que têm mapas muito antigos, podem-se usar os mapas do DNIT, que estão atualizados até 2013, no site http://www.dnit.gov.br/planejamento-e-pesquisa/dnit-geo/mapas-multimodais.

Mapas e listas de rodovias do Brasil
Estado Órgão Mapa Lista Fontes
Brasil DNIT Mapas 2013 SNV-2018 [1] [2]
AC DERACRE Mapa 2009 [3]
AL DER Mapa 2013 [4]
AM SEINFRA [5]
AP Transporte [6]
BA SEINFRA Mapa 2017 CMR-2012 [7]
CE DER Mapa 2017 [8]
DF DER Mapa 2017 SRDF-2017 [9] [10]
ES DER Mapa 2016 [11]
GO AGETOP Mapa 2012 SRE-2015 [12]
MA SINFRA [13]
MG DEER Venda de mapa Rede Rodoviária [14]
MS SEINFRA/AGESUL Mapa 2018 SRE-2017 [15]
MT SINFRA Mapa 2012 SRE-2012 [16] [17]
PA SETRAN [18]
PB DER Mapa 2016 Cadastro [19] [20] [21]
PE DER Mapa 2013 [22]
PI DER Mapa 2015 [23] [24] [25]
PR DER/Infraestrutura Mapa 2018 SRE-2017 [26] [27]
RJ DER Mapa 2006 [28]
RN DER [29]
RO DER [30]
RR SEINF [31]
RS DAER Mapa 2017 SRE-03/2018 [32] [33]
SC DEINFRA Mapa 2017 PDR/SC-2008 [34] [35] [36]
SE DER Mapa 2017 [37]
SP DER Mapa 2017 Pesquisa [38]
TO SEINF Mapa 2017 [39] [40]

Rodovias e estradas rurais

A classificação das vias usadas no OSM segue a lógica:

motorway > trunk > primary > secondary > tertiary > unclassified

Os mapas oficiais do Brasil seguem a lógica:

duplicada > pavimentada > não pavimentada

Se houver duas rotas possíveis entre dois pontos, uma duplicada e outra não, qualquer sistema de roteamento razoável deve preferir uma via duplicada. Da mesma forma, se a escolha for entre uma rota pavimentada e outra não pavimentada, o roteador deve preferir a via pavimentada. A forma de garantir esse resultado é, ao classificar as vias no OSM, usar um critério compatível com o dos mapas oficiais do Brasil.

Por outro lado, há muitos argumentos a favor de uma classificação funcional das rodovias. É importante ressaltar que os dois critérios não são incompatíveis. Ao distribuir as três categorias de rodovias dos mapas oficiais entre as seis categorias do OSM, sobra espaço para ajustes. Definindo a classificação de rodovias pavimentadas como primary ou secondary, é possível classificar a malha principal (definida pela classificação funcional) como primary e as demais como secondary. Da mesma forma, as rodovias não pavimentadas podem ser classificadas como tertiary (se compõem a porção mais importante da malha não pavimentada) ou unclassified (se não forem tão significativas). Quanto às vias duplicadas, está bem estabelecido que as expressas (em que nenhuma outra via cruza diretamente a rodovia) devem ser classificadas como motorway e as demais como trunk.

Cidades e vilarejos

Em áreas urbanas, o critério é um pouco diferente. Nas cidades, a proporção da malha pavimentada é bem maior do que em áreas rurais, e o fato de uma rua ser duplicada não necessariamente faz dela uma via preferencial, como acontece nas rodovias. Além disso, outras classificações de vias presentes nas cidades (residential, por exemplo) deixam o sistema mais complexo. A primeira preocupação, ao definir a classificação das vias nas cidades, é manter as conexões entre as vias rurais que a acessam. Por exemplo, se a cidade pode ser acessada por duas rodovias classificadas como primary, a melhor rota de conexão entre elas por dentro da cidade deve ser determinada e classificada também como primary. Após feitas as conexões entre as rodovias que dão acesso à cidade, passa-se à classificação das demais vias. Assim como em áreas rurais, vias duplicadas expressas devem ser classificadas como motorway. A malha principal de circulação dentro da cidade (vias que atravessam a cidade e passam por vários bairros) pode ser definida como trunk, primary ou secondary, dependendo do tamanho da cidade. Uma vez definida a malha principal, pode-se definir os demais níveis da malha, de acordo com a sua função, dando preferência para as vias com maior capacidade de fluxo de veículos.

Uma classificação possível em áreas urbanas é:

  • trunk: principais vias duplicadas de alto fluxo de veículos que atravessam uma cidade grande e ligam vários bairros
  • primary: vias pavimentadas que formam a malha principal de circulação, ligando vários bairros de uma cidade grande ou média
  • secondary: vias geralmente pavimentadas que formam a malha secundária de circulação, ligando bairros de uma cidade grande ou média, ou que formam a malha principal de circulação de uma cidade pequena
  • tertiary: vias mais usadas para a escoar o transito de veículos de um bairro em direção às vias secundárias de uma cidade grande ou média, ou que formam a malha secundária de uma cidade pequena
  • unclassified: demais vias em áreas não-residenciais
  • residential: demais vias em áreas residenciais (a maioria das ruas deve ter essa classificação)