Pt:Introduction

From OpenStreetMap Wiki
Jump to: navigation, search
Linguagens disponíveis — Introduction
Afrikaans Alemannisch aragonés asturianu azərbaycanca Bahasa Indonesia Bahasa Melayu Bân-lâm-gú Basa Jawa Baso Minangkabau bosanski brezhoneg català čeština dansk Deutsch eesti English español Esperanto estremeñu euskara français Frysk Gaeilge Gàidhlig galego Hausa hrvatski Igbo interlingua Interlingue isiXhosa isiZulu íslenska italiano Kiswahili Kreyòl ayisyen kréyòl gwadloupéyen kurdî latviešu Lëtzebuergesch lietuvių magyar Malagasy Malti Nederlands Nedersaksies norsk norsk nynorsk occitan Oromoo oʻzbekcha/ўзбекча Plattdüütsch polski português português do Brasil română shqip slovenčina slovenščina Soomaaliga suomi svenska Tiếng Việt Türkçe Vahcuengh vèneto Wolof Yorùbá Zazaki српски / srpski беларуская български қазақша македонски монгол русский тоҷикӣ українська Ελληνικά Հայերեն ქართული नेपाली मराठी हिन्दी অসমীয়া বাংলা ਪੰਜਾਬੀ ગુજરાતી ଓଡ଼ିଆ தமிழ் తెలుగు ಕನ್ನಡ മലയാളം සිංහල ไทย မြန်မာဘာသာ ລາວ ភាសាខ្មែរ ⵜⴰⵎⴰⵣⵉⵖⵜ አማርኛ 한국어 日本語 中文(简体)‎ 吴语 粵語 中文(繁體)‎ ייִדיש עברית اردو العربية پښتو سنڌي فارسی ދިވެހިބަސް

O OpenStreetMap (OSM) é um projeto colaborativo para criar um mapa editável gratuito do mundo.

Motivação

Entre as motivações do projeto estão o protecionismo comercial das grandes companhias de mapeamento e a sua demora em atender pedidos de correções e de acréscimos em regiões consideradas menos importantes.

Recentemente, o interesse global pelo OSM cresceu bastante quando o Google iniciou a cobrança pelo uso dos dados do Google Maps. Em resposta, websites famosos como o Foursquare, o TripAdvisor, a Wikipédia e até mesmo a Apple no seu aplicativo iPhoto rapidamente trocaram o Google Maps pelo OSM. Alguns especulam que também a Microsoft tem investido no projeto indiretamente como estratégia de competição com o Google. O projeto também ganhou certa projeção quando foi usado pelas equipes de ajuda humanitária no Haiti após o furacão Isaac para mapear toda a área afetada em apenas 2 dias. Iniciativas parecidas se seguiram no Alagoas e no Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, fora do Brasil, têm sido cada vez mais comuns as "mapping parties" onde um grupo de mapeadores se reúne para melhorar o mapa de uma região.

O Waze é similar ao OpenStreetMap em alguns sentidos (é gratuito e é editável pelos usuários), e para planejamento de rotas é provavelmente o principal concorrente a longo prazo. No entanto, seus dados têm copyright (são proprietários) e a empresa pretende lucrar com propagandas.

Estrutura

Os serviços básicos do projeto e os direitos legais são geridos pela OpenStreetMap Foundation (OSMF), cujo capital provém da associação de novos membros, de doações, e de patrocínio (recentemente pela CloudMade). O mapa é disponibilizado sob a licença Open Database License (ODbL), que permite o uso dos dados para fins comerciais desde que haja referência ao projeto OSM e que os dados e as alterações feitas neles também sejam disponibilizadas sob a mesma licença ou outra compatível. Houve uma alteração na licença em 2010, que anteriormente era uma Creative Commons, que servia apenas para trabalhos artísticos e não para bancos de dados. Cada usuário teve que manifestar seu desejo de migrar para a nova licença. As contribuições dos usuários que recusaram e todas as alterações subsequentes foram revertidas, com diferentes impactos por região, mas na média afetando apenas cerca de 1% dos dados contidos na base.

Alguns projetos importantes relacionados ao OSM incluem:

  • Mapnik: programa executado nos servidores do OSM que efetivamente desenha o mapa padrão e alguns outros básicos (mapa das rotas de transporte público, mapa ciclístico)
  • ITO Map: serviço que fornece representações alternativas do mapa OSM para diversas finalidades, geralmente expondo informações que não aparecem no Mapnik
  • Open Source Routing Machine (OSRM): programa que faz cálculo de rotas, com serviço independente atualizado diariamente e usável no Android através do OSMBonusPack
  • Nominatim: programa que encontra as coordenadas geográficas (geocoding) de endereços e pontos de interesse (POIs), usado na própria página principal do OSM e nas buscas do OSRM
  • OpenLayers: serviço que permite integrar mapas do OSM com outros websites
  • Notes: serviço para registrar erros nos mapas (corrigidos mais tarde por mapeadores interessados)

Colaboração

Para editar o mapa oficial, basta criar uma conta de usuário gratuitamente, realizar as alterações usando um dos editores sugeridos a seguir, e enviar o conjunto de alteração fornecendo uma breve descrição. Os dados tornam-se disponíveis imediatamente, mas os serviços relacionados (Mapnik, OSRM, Nominatim, etc.) podem levar um tempo para refletir as mudanças, normalmente de alguns minutos a 1 dia.

Os melhores editores dos mapas do OSM são:

  • JOSM (em Java, requer instalação), usado principalmente por mapeadores mais experientes
  • Potlatch (em Flash, roda diretamente no navegador), usado por principiantes, para correções rápidas ou quando não se pode instalar o JOSM por alguma razão

Para Android, pelo menos um editor (Vespucci) já está sendo desenvolvido, e há um aplicativo (OpenFixMap) para registrar erros no mapa ao OpenStreetBugs.

Como editar é fácil, pode ocorrer vandalismo. Erros humanos são raros e o autor costuma corrigi-los se contatado pessoalmente por outro colaborador. Em casos mais graves de verdadeiro vandalismo, pode-se avisar o Data Working Group, que tem o poder de desfazer grandes volumes de alterações e de banir o culpado.

Representação dos dados

Os dados do mapa usam uma representação bastante simples. Cada elemento é descrito por um conjunto de tags, cada uma associada a um valor, e há elementos de apenas 4 tipos:

  • : um par de coordenadas geográficas
  • caminho: segmentos de reta passando por nós
  • área: um caminho fechado (começando e terminando no mesmo nó) determinando os limites de uma região
  • relação: um conjunto de elementos (pontos, caminhos, áreas ou até mesmo outras relações) relacionados de alguma forma

As tags são usadas para descrever informações como o tipo de objeto (restaurante, rua, lagoa, etc.) e seus detalhes mais relevantes (o endereço, se o acesso é restrito, se é iluminado, etc.). O nome e o valor de cada tag não têm qualquer restrição imposta pelo sistema (podem conter qualquer texto), mas o OSM usa um conjunto de convenções propostas e votadas através deste wiki, o qual serve de referência para aplicação das novas práticas. Isso permite que o mapa evolua quando surgem novas necessidades.

Os editores adotam as novas convenções gradualmente e colaboradores independentes escrevem seus próprios programas para verificar se os dados do mapa estão de acordo. Dentre as várias opções, particularmente o JOSM possui um validador que tenta garantir as convenções mais bem estabelecidas durante a submissão de alterações. Embora isso já facilite bastante, a melhor forma de conhecer a importância e emprego de cada tag é lendo os artigos deste wiki.

Em especial, vale à pena estudar bem as relações [referência?], que servem para agrupar, associar e relacionar outros elementos, como ao definir a área de um campus universitário (incluindo a área total, os estacionamentos, os prédios, etc.), ao estabelecer uma proibição de trânsito (proibido dobrar à direita em uma esquina que conecta dois caminhos) ou a agrupar continente e ilhas numa única divisão administrativa (país, cidade ou estado). O uso correto desses elementos resulta num mapa conciso e sem informação redundante, algo que melhora a qualidade e a usabilidade dos demais serviços (por exemplo, ao buscar o nome de um destino num GPS ou no Nominatim).

Comunidade

As melhores fontes de informação para acompanhar a evolução do projeto são a página de notícias do OSM e o blog da OSMF.

Detalhes técnicos

Para os interessados, o OSM guarda seu mapa numa base PostgreSQL com PostGIS e os dados são trocados com os clientes (JOSM e Potlatch) usando XML.

Ver também