Pt:Names

From OpenStreetMap Wiki
Jump to navigation Jump to search
Logo. Feature : Pt:Names
One example for Feature : Pt:Names
Descrição
Para definir o nome de um elemento incluído no OpenStreetMap.
Etiquetas

name=*

Para definir o nome de um elemento no OpenStreetMap.

Notas sobre o uso

Não abreviar nomes

Um exemplo extremo de abreviação: Lake Washington Boulevard Northeast e Main Street

Se o nome puder ser escrito sem uma abreviação, não se deve abreviar. Os computadores conseguem encurtar as palavras facilmente, mas não o contrário. (A. pode ser Alameda ou Avenida). Se as placas tiverem palavras abreviadas e não se souber qual é a palavra completa, deve-se usar uma temporária até alguém a completar. Usar abreviaturas é uma decisão do software, ou seja, os dados originais devem ter o nome completo da rua. Isto permitirá que um renderizador, um roteador ou um localizador de moradas introduza as abreviaturas que entender. Ver, por exemplo, a lista de abreviaturas usadas pelo Pesquisador de Nomes e pelo Nominatim.

O nome "Av. da Liberdade" numa placa, que é abreviado para poupar espaço, deve ser completado para "Avenida da Liberdade", tal como uma placa que indique "Prof. João Azevedo" deve ser expandida para "Professor João Azevedo".

Além de seguir as regras descritas em cima, deve-se introduzir sempre o nome completo, tal como aparece nas placas de rua, mas convém notar que também elas podem ter erros.

Esta orientação sobre as abreviações aplica-se não só aos nomes das ruas, mas também aos endereços em addr:street=*, que, geralmente, coincidem com os nomes da rua correspondente. (Esta consulta Sophox mostra como encontrar endereços de ruas que contêm abreviações incorretas num idioma e geografia específicos.)

Letras em maiúsculas

Em geral, recomenda-se o uso misto de maiúsculas e minúsculas, com a primeira letra de cada palavra em maiúscula, (ex: "Rua Direita" e não "rua Direita"), mas as regras regionais têm preferência sobre as regras gerais. Por exemplo, em flamengo, o uso de maiúscula no último nome indica o estatuto de nobreza da pessoa. Ruas ou nomes de empresas que usem esses nomes devem seguir o mesmo padrão. Nos idiomas não latinos, nem sequer é possível usar maiúsculas num nome.

Nome é apenas o nome

Os nomes devem estar limitados apenas ao item em questão e não devem incluir informação adicional que não existe no nome oficial, como categorias, tipos, descrições, moradas, referências ou notas. Por exemplo, uma estrada florestal não deve ter o nome de "Estrada florestal". Se algo não tiver nome, deve ficar com esse campo em branco no OpenStreetMap. Qualquer informação adicional deve ser incluída em etiquetas à parte e mais adequadas ao tipo de informação que se pretende incluir no elemento.

Alguns exemplos de uso incorreto:

  • "Multipolígono da Floresta do Sul" - não incluir o tipo de objeto ou outra terminologia OSM, se esta não se aplicar fora do OSM.
  • "Teatro Nacional, Lisboa" - não incluir a localização Lisboa como parte do nome, mesmo que haja vários objetos com o mesmo nome.
  • "Bar fechado (para demolição)" - não descrever o objeto no campo do nome. Para tal, existe a etiqueta description=* ou ainda old_name=*. Objetos que já não existem devem ser eliminados. Objetos em desuso como lojas, podem ser etiquetados com prefixos de ciclo de vida.
  • "Sem nome" - (ver #Sem nome, em baixo)
  • "Vias de sentido sul da A 5" - não dar nomes separados a partes do mesmo objeto, quando este é separado no OSM, mas não fora dele.
  • "A 5" - quando um nome é apenas a duplicação da etiqueta ref=*, é mais aconselhável usar a referência juntamente com noname=yes.
  • "Passadiços do Paiva (sazonal)" - não incluir restrições de acesso relativas a estações no nome. Em vez disso, usar etiquetas de restrições condicionais (ou opening_hours=*). Por exemplo: access:conditional=no @ (Nov-Apr).
  • "Cidade de Coimbra" - para uma cidade chamada Coimbra, não adicionar "Cidade". Contudo, há casos em que "Cidade" faz parte do nome, como Cidade do Cabo ou Cidade do México.
  • "Serra Amarela, 1300 m" - mapear a altitude numa etiqueta à parte, como ele=* ou ele:ft=*, não como parte do nome.
  • "Barragem da Bemposta 1001-3" - não introduzir um número de referência num nome só porque aparece numa fonte oficial. Em vez disso, deve-se usar a etiqueta ref=*. Por exemplo: name=Barragem da Bemposta e ref=1001-3.
  • "Trilho alternativo para o topo" - não descrever pedaços de trilhas de caminhada. Para trilhos assinalados, pode-se usar funções de relações de rotas recreativas.

É errado um mapeador inventar um nome para uma pista de aviação, contudo, os nomes foram inventados em algum ponto da história, por isso, se alguém inventar um nome e este for adotado por um grupo considerável de pessoas, não há problema em mapeá-lo[1].

Nomes não são descrições

Embora seja aceitável usar a etiqueta building=house, é errado adicionar também building=casa. Ou name=Mesquita com amenity=place_of_worship + religion=muslim. Os validadores poderão detetar e propor a remoção dos nomes descritivos mais óbvios e comuns. Esta é uma forma de mapear para o renderizador.

Não se deve construir nomes para elementos[2] combinando o nome de um elemento envolvente com uma descrição. Por exemplo, uma fonte sem nome num Parque XYX não deve ser etiquetada com name=Fonte do Parque XYX. Os elementos internos de uma área com nome só devem receber nome quando tiverem efetivamente um nome oficial ou atribuído localmente, por vezes assinalado com uma placa turística, por exemplo. Se o elemento interno tiver nome, este não deve fazer referência à área envolvente. Um elemento chamado "Fonte do Aníbal" no "Parque XYZ" deve ser etiquetada com name=Fonte do Aníbal e não name=Fonte do Aníbal no Parque XYZ.

Vários nomes

Se um elemento tiver vários nomes, deve-se tentar escolher uma etiqueta rica semanticamente, como uma das que constam da tabela (short_name=*, old_name=* etc.). Se nenhuma dela servir, deve-se escolher a etiqueta alt_name=*. Se houver vários nomes nestas condições, pode-se usar alt_name=* com nomes separados por ponto e vírgula.

Sem nome

Na maioria dos casos, as ruas que não têm nome são etiquetadas com noname=yes. A ideia é indicar claramente que a rua não tem efetivamente um nome atribuído. A ausência de uma etiqueta de nome é cada vez mais usada para indicar áreas que ainda precisam de ser analisadas

Nomes à esquerda e à direita

Para elementos mapeados como linhas, os nomes podem diferir consoante o seu lado.

Por exemplo, uma rua pode estar na fronteira entre a Bélgica e a Holanda, e a Bélgica dar-lhe o nome "Amsterdamsestraat" e a Holanda dar-lhe o nome "Brusselsestraat".

Isto é resolvido usando as etiquetas name:left=* e name:right=* para dar nome a ambos os lados separadamente (usando a direção da linha para determinar a esquerda e a direita) . A etiqueta name=* ainda pode incluir ambos os nomes, por forma a suportar ferramentas diferentes.

Exemplo:

Nota: a existência de nomes à esquerda e à direita não exclui a existência de nomes noutros idiomas (que também ocorre frequentemente em fronteiras).Portanto, é possível usar etiquetas como name:left:fr=*.

Cuidado com os apóstrofos

Se a placa de toponímia tiver um apóstrofe ('), os dados OSM devem ter um apóstrofe. Não existe uma consistência óbvia: a estação de metro londrina de Barons Court fica junto a Earl's Court, um nome com apóstrofe e outro sem.

Repetição do nome com a etiqueta relativa ao idioma

A etiqueta name=* contém o "nome padrão". name:lang_code=* contém o nome no idioma especificado. Por exemplo: name:ru=Москва contém o nome em russo (tem o código de idioma ru) e name:en=Moscow contém o nome em inglês (código de idioma en).

"Moscovo" também é etiquetado com name=Москва, com o mesmo valor que name:ru=Москва. Isto está correto e é útil. Os nomes em idiomas específicos não devem ser apagados só porque os seus valores são iguais ao de name=*. Por outro lado, não se deve etiquetar nomes que não existem. Uma aldeia desconhecida na Polónia pode ter apenas um nome (registado em name=*, poderá estar repetido em name:pl=*). Em todos os outros idiomas, esta aldeia teria o seu nome polaco, porque não tem outro nome. Só porque todos os outros idiomas usam o nome polaco, não significa que se deva utilizar etiquetas name:lang_code=* para todos os outros idiomas!

Localização

Por ora, a maioria dos sistemas de renderização suporta caracteres Unicode, portanto, pode-se usar o script local para a etiqueta padrão. Não há necessidade de usar o script Latin.

Ver também nomes em vários idiomas.

Para adicionar nomes traduzidos em idiomas diferentes, acrescentar as etiquetas name:code=* com um sufixo na chave name, onde code é o código ISO 639-1 alpha-2 (na segunda coluna) do idioma, ou o código ISO 639-2/T (alpha-3) (códigos técnicos/terminológicos, incluindo possíveis códigos para macrolinguagens, excetuando códigos atribuídos a grupos de linguagens, não usam códigos bibliográficos) se não existir um código ISO 639-1, ou códigos ISO 639-3 (alpha-3) (para linguagens isoladas ou macrolinguagens); não usar códigos ISO 639-5 atribuídos a a famílias de linguagens.

Por exemplo, name:fr=* para o nome em francês e name:en=* para o nome em inglês. O nome padrão (que ocupa a etiqueta name sem sufixo) deve ser o nome na linguagem usada localmente.

Este é um exemplo de utilização. Todas estas etiquetas aparecem no mesmo elemento:

name=Qualquer coisa   (o nome padrão, usado localmente)
name:en=Something     (o nome em inglês)
name:el=Κάτι          (o nome em grego)
name:de=Irgendwas     (o nome em alemão)
name:pl=Coś           (o nome em polaco)
name:fr=Quelque chose (o nome em francês)
name:es=Algo          (o nome em espanhol)
name:it=Qualcosa      (o nome em italiano)
name:ja=何か           (o nome em japonês)
name:ko=뭔가           (o nome em coreano)
name:ko-Latn=Mweonga  (o nome em coreano latinizado)   (conforme o padrão BCP 47. Obsoleto:  ko_rm)


Isto resulta numa definição mais precisa de nomes alternativos.

Exemplo de códigos de linguagem de acordo com o código alpha-2 (=duas letras) do ISO 639-1 :

de  Alemão
pl  Polaco
el  Grego
en  Inglês
es  Espanhol
fa  Persa
fr  Francês
it  Italiano
ja  Japonês
ko  Coreano
ru  Russo
zh  Chinês
ko-Latn  Coreano Latinizado (conforme o padrão BCP 47. Obsoleto: ko_rm)


Uma curta discussão sobre os sufixos de linguagem pode ser encontrada na página de discussão (en).

Suporte de renderização: Alguns sistemas de renderização mostram estes nomes localizados. Ver Map Internationalization.

Suporte em editores: O JOSM 1044 e versões mais recentes suporta a exibição de nomes locais. Deteta o local do sistema atual e tenta exibir primeiro os nomes nesse idioma. Pode-se alterar a ordem em que o JOSM procura nomes nas definições avançadas do JOSM. Exemplo: para exibir primeiro nomes escritos em tailandês, mesmo que o local atual esteja em "inglês", deve-se definir a seguinte propriedade:

 mappaint.nameOrder=name:th;name:en;int_name;name

loc_name

A chave loc_name=* é usada para o nome de um elemento tal como é conhecido localmente, mas apenas onde serve mais como uma gíria, calão ou jargão não oficial. Porém, normalmente, o nome que os habitantes locais usam é o nome que se atribui à etiqueta name=*! Exemplos de como se pode usar loc_name=*:

  • Existe uma ponte em Glasgow conhecida por Ponte Squinty, mas o seu nome oficial é Arco Clyde. Nunca ouvi ninguém chamar-se isso, por isso, a ponte é etiquetada com loc_name=Ponte Squinty + name=Arco Clyde.
  • Em Reading, há uma Rua Union, mas é conhecida há décadas por Viela Smelly, devido aos peixeiros que ali trabalhavam. Neste caso, o loc_name=* é o ideal.

alt_name

Usar quando existe um nome alternativo. Por exemplo, uma rua com duas placas escritas de forma diferente, embor anão se aplique apenas a nomes de ruas.

Não se deve usar para abreviações, só quando outras etiquetas de name não se aplicam. Por exemplo: reg_name=* ou name:lg_code=* para traduções regionais.

Normalmente, estes nomes alternativos não são renderizados (mostrados no mapa), mas podem ser usados por aplicações como o Nominatim.

sorting_name

sorting_name=* é uma abordagem proposta para fornecer um nome alternativo que os sistemas podem usar com o intuito de ordenar alfabeticamente. Isto poderia ser útil para nomes de ruas em alguns idiomas/países, em especial na Rússia, onde palavras como "Rua" são frequentemente usadas como prefixo. Isto torna-se problemático se a ordenação for feita apenas com a etiqueta principal name=*.

Sufixo de data para nomes históricos

O sufixo de data (en) pode ser usado para nomes históricos. Por exemplo: name:1953-1990=Rua da República.

Etiquetas desaconselhadas

As etiquetas name_1=* e alt_name_1=* não devem ser usadas para mapear. São resultado de importações antigas que não foram bem definidas.

Tabela de variações da chave

Nome

A etiqueta de nome é a etiqueta principal utilizada para atribuir um nome a um elemento do mapa. Para mais informações, consultar a página Names.

Chave Valor Elemento Descrição
name variável nó caminho área O nome padrão comum. Nota: para nome contestados, deve-se usar o nome como mostrado "no terreno", ou seja, em placas de sinalização. Colocar todas as alternativas em etiquetas de nome traduzido (por exemplo: name:tr / name:el) ou as variantes (por exemplo, loc_name / old_name / alt_name ).
name:<lg> variável nó caminho área Nome em outro idioma. Por exemplo: name:pt=Londres. Convém notar que todas as variantes de chaves de etiquetas abaixo podem usar um sufixo de idioma. Para mais informações, consultar Nomes bilingues (em inglês).
name:left, name:right variável caminho Usado quando uma via tem nomes diferentes consoante o lado da via. Comum em estradas que delimitam zonas (municípios, freguesias, etc.). Os lados esquerdo e direito são determinados pela direção da linha.
int_name variável nó caminho área Nome internacional. Nota: deve-se considerar o uso da etiqueta de nome num idioma específico, como por exemplo: name:en=*, name:fr=*. etc. (ver acima). O nome internacional não é necessariamente em inglês.
loc_name variável nó caminho área Nome usado localmente e que difere do nome padrão.
nat_name variável nó caminho área Nome nacional
official_name variável nó caminho área Etiqueta criada para nomes de países, mas é necessário esclarecimento para os outros casos entre o "name", "int_name", "loc_name" e "official_name". Exemplo: official_name=Principado de Andorra (onde "nome" é name=Andorra)
old_name variável nó caminho área Nome histórico, antigo ou anterior (caso tenha mudado de nome).
reg_name variável nó caminho área Nome regional
short_name variável nó caminho área Sigla normalmente usada. Não utilizar esta etiqueta para abreviaturas.
sorting_name variável nó caminho área Nome utilizado para a ordenação alfabética correta de nomes. Necessário apenas quando não se pode ordenar corretamente com a etiqueta name.
alt_name variável nó caminho área Nome alternativo pelo qual o recurso é conhecido, caso nenhuma das outras etiquetas sirva. Por exemplo: name=Santuário de Nossa Senhora do Sameiro e alt_name=Santuário do Sameiro.
name_1, name_2, ... Não usar esta etiqueta. O sufixo a seguir a name está em desuso (ver esta página). Caso não existam outras etiquetas adequadas e seja necessário usar vários valores, deve-se separar com ponto e vírgula. Por exemplo: name=Santuário de Nossa Senhora do Sameiro;Santuário do Sameiro.

This table is a wiki template with a default description in English. Editable here. Tradução em português editável aqui.


Notas

  1. Inventing names for essentially unnamed private airstrips
  2. Tagging mailing list thread on name tags for internal features of a named area

Ver também